Por que não guardar o sábado?

Deveriam os Cristãos Guardar o Sábado Hoje em Dia?

O Que a Bíblia Diz?

No Velho Testamento, Deus ordenou aos israelitas que santificassem o dia do sábado e não trabalhassem nesse dia. Deveriam os cristãos de hoje, também, descansar e adorar no dia do sábado? Muitos grupos religiosos (Adventistas do Sétimo Dia, por exemplo) ensinam que deveríamos. O que a Bíblia diz?

Em Êxodo 20:8-11
Deus ordenou aos judeus que guardassem o dia do sábado (veja nota 1). No Novo Testamento, vemos que as leis do Velho Testamento eram para continuar somente até a morte de Cristo. (Nas passagens seguintes, a ênfase está acrescentada para esclarecer o sentido).

Efésios 2:14-15
“Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derrubado a parede da separação que estava no meio, a inimizade, aboliu na sua carne a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse em si mesmo um novo homem, fazendo a paz.” Esta passagem mostra que Cristo aboliu a “lei dos mandamentos“. Desde que a guarda do sábado era um destes mandamentos, e não foi incluída no Novo Testamento, não necessitamos guardar o sábado.

Romanos 7:4-7
“Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, e deste modo frutifiquemos para Deus. Porque, quando vivíamos segundo a carne, as paixões pecaminosas postas em realce pela lei, operavam em nossos membros a fim de frutificarem para a morte. Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra. Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás.” Esta passagem claramente diz que morremos para a lei e estamos, portanto, “libertos da lei”. A lei de que Paulo falava incluía os dez mandamentos, porque no versículo 7 ele citou: “Não cobiçarás” como uma das leis. (Veja Nota 2).

2 Coríntios 3:6-11
“O qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica. E se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de glória, a ponto de os filhos de Israel não poderem fitar a face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, ainda que desvanecente, como não será de maior glória o ministério do Espírito? Porque se o ministério da condenação foi glória, em muito maior proporção será glorioso o ministério da justiça. Porquanto, na verdade, o que outrora foi glorificado, neste respeito já não resplandece, diante da atual sobre-excelente glória. Porque, se o que se desvanecia teve sua glória, muito mais glória tem o que é permanente.” Aqui Paulo está comparando o ministério da morte e da condenação com o ministério do Espírito e da justiça. O ministério da morte estava desaparecendo, mas o ministério do Espírito estava continuando. Mas qual era o ministério da morte e da condenação que estava desaparecendo? Era o ministério “gravado com letras nas pedras“. Se cremos no Novo Testamento, temos que acreditar que a revelação escrita nas pedras, no Velho Testamento (os dez mandamentos), já morreu. Esta passagem afirma isso claramente.

Gálatas 3:15-5:4
Gálatas 3:19
“Qual, pois, a razão de ser da lei? Foi adicionada por causa das transgressões, até que viesse o descendente a quem se fez a promessa, e foi promulgada por meio de anjos, pela mão de um mediador.” Se a lei foi acrescentada até que Cristo veio, então o domínio da lei parou quando Cristo veio.

Gálatas 3:24-25
“De maneira que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé. Mas, tendo vindo a fé, já não permanecemos subordinados ao aio.” A lei foi nosso instrutor, para levar-nos a Cristo, mas agora que Cristo veio, “já não permanecemos subordinados ao instrutor“.

Gálatas 4:1-5
“Digo, pois, que durante o tempo em que o herdeiro é menor, em nada difere de escravo, posto que é ele senhor de tudo. Mas está sob tutores e curadores até ao tempo predeterminado pelo pai. Assim também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos.” A lei foi dada para a infância do povo de Deus. Cristo veio para nos adotar como filhos e redimir-nos da lei.

Gálatas 4:24,31
“Estas cousas são alegóricas: porque estas mulheres são duas alianças; uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para escravidão; esta é Hagar. . . . E assim, irmãos, somos filhos não da escrava, e, sim, da livre.” Neste trecho, Paulo compara a lei dada no Sinai com Hagar (a mulher escrava), e a nova aliança com Sara (a esposa livre). Ele diz claramente que somos da mulher livre e não da mulher escrava. Portanto, estamos sob a nova aliança e não sob a aliança do Monte Sinai, que incluiu os dez mandamentos. Por favor, estude cuidadosamente este assunto, por completo.

Gálatas 5:4
De Cristo vos desligastes vós que procurais justificar-vos na lei, da graça decaístes.” A consequência da Volta para a lei é que decaímos da graça.

Hebreus 7-10
Hebreus 7:12
“Pois, quando se muda o sacerdócio, necessariamente há também mudança de lei.” A lei foi mudada.

Hebreus 7:18-19
“Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança, por causa de sua fraqueza e inutilidade (pois a lei nunca aperfeiçoou cousa alguma) e, por outro lado, se introduz esperança superior, pela qual nos chegamos a Deus.” A antiga aliança foi revogada.

Hebreus 8:7-13
“Porque, se aquela primeira aliança tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para segunda. E, de fato, repreendendo-os, diz: Eis aí vêm dias, diz o Senhor, e firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá, não segundo a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os conduzir até fora da terra do Egito; pois eles não continuaram na minha aliança, e eu não atentei para eles, diz o Senhor. Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor. Nas suas mentes imprimirei as minhas leis, também sobre os seus corações as inscreverei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. E não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior. Pois, para com as suas iniquidades usarei de misericórdia, e dos seus pecados jamais me lembrarei. Quando ele diz Nova, torna antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido, está prestes a desaparecer.” Temos uma nova aliança. Por que voltar para a velha? Veja no texto abaixo qual a primeira aliança com defeito.

Hebreus 9:4
“Ao qual pertencia um altar de ouro para o incenso, e a arca da aliança totalmente coberta de ouro, na qual estava uma urna de ouro contendo o maná, a vara de Arão, que floresceu, e as tábuas da aliança.” A aliança a que ele tem se referido inclui as “tábuas da aliança”: os dez mandamentos.

Colossenses 2:16-17
“Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das cousas que haviam de vir; porém o corpo é de Cristo.” Talvez seja este o texto mais importante de toda esta discussão, porque ele claramente menciona o dia do sábado como parte da sombra que foi substituída por Cristo. (Veja Notas 3 e 4). O sábado não é, para nós, hoje, mais parte do padrão de Deus do que a conservação do festival da lua nova. Ambos foram partes da aliança do Velho Testamento, que foi substituída pela nova aliança de Cristo.

Os cristãos de hoje têm que seguir o Novo Testamento, que não ordena que qualquer dia seja completamente posto de lado como um dia de descanso, mas sim, mostra o padrão dos cristãos reunindo-se para adorar juntos nos domingos (Atos 20:7; 1 Coríntios 16:1:2). (Veja Notas 5 e 6).

Nota 1:

O sábado era só para os judeus.

Muitas passagens mostram que o mandamento para guardar o sábado foi dado somente aos judeus. Por exemplo:

Êxodo 31:12-18
“Disse mais o Senhor a Moisés: Tu, pois, falarás aos filhos de Israel, e lhes dirás: Certamente guardareis os meus sábados; pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica. Portanto guardareis o sábado, porque é santo para vós outros: aquele que o profanar, morrerá; pois qualquer que nele fizer alguma obra será eliminado do meio do seu povo. Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do repouso solene, santo ao Senhor; qualquer que no dia do sábado fizer alguma obra morrerá. Pelo que os filhos de Israel guardarão o sábado, celebrando-o por aliança perpétua nas suas gerações. Entre mim e os filhos de Israel é sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e ao sétimo dia descansou e tomou alento. E, tendo acabado de falar com ele no monte Sinai, deu a Moisés as duas tábuas do testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus.” Aqui ele afirmou que o sábado era entre Deus e os filhos de Israel.

Deuteronômio 5:1-3, 12
Chamou Moisés a todo o Israel, e disse-lhe: Ouvi, ó Israel, os estatutos e juízos que hoje vos falo aos ouvidos, para que os aprendais e cuideis em os cumprirdes. O Senhor nosso Deus fez aliança conosco em Horebe. Não foi com nossos pais que fez o Senhor esta aliança, e, sim, conosco, todos os que hoje aqui estamos vivos…Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o Senhor teu Deus.” A aliança que incluía o dia do sábado foi exclusivamente feita com os israelitas e com ninguém mais.

Ezequiel 20:10-12
Tirei-os da terra do Egito e os levei para o deserto. Dei-lhes os meus estatutos, e lhes fiz conhecer os meus juízos, os quais cumprindo-os o homem, viverá por eles. Também lhes dei os meus sábados, para servirem de sinal entre mim e eles, para que soubessem que eu sou o Senhor que os santifica.” Aqueles a quem a lei do sábado foi dada foram o povo de Israel, aqueles que foram resgatados do Egito.

Às vezes, os adventistas mostram que Deus descansou no sétimo dia da criação (Gênesis 2:1-3). E daí eles deduzem que aos homens foi ordenado que guardassem o sábado desde o tempo da criação. Mas nenhuma passagem afirma isso. De fato, a primeira vez que lemos sobre homens guardando o sábado, ou um mandamento para os homens guardarem o sábado, é em Êxodo 16, depois que Moisés tinha guiado os israelitas para fora do Egito. Gênesis 2 mostra que Deus descansou no sétimo dia, mas não ordena que os homens guardem o sétimo dia. De fato, a Bíblia nunca ordenou aos gentios que guardassem o sábado ¬ somente os judeus ¬ desde o tempo de Moisés até Cristo. (Note que de Adão, Abel, Sete, Enoque, Metusalém, Lameque e Noé, Abrão, Isaque, jacó, José e mais 400 anos de cativeiro no Egito, milhares de anos não se falou em sábado)

Nota 2:

Há diferença entre lei moral e lei cerimonial?

O Novo Testamento mostra que os cristãos não estão mais sob a obrigação de guardar a lei do Velho Testamento. Os adventistas e outros tentam escapar do significado destes textos, inventando a diferença entre a lei moral, que eles chamam a lei de Deus, e a lei cerimonial, que eles chamam a lei de Moisés. Normalmente, eles ensinam que a lei cerimonial foi abolida por Cristo (assim não guardamos a Páscoa nem oferecemos sacrifícios de animais) mas a lei moral ainda está vigente. Esta distinção não está na Bíblia.

A Bíblia usa as expressões lei do Senhor e lei de Moisés, sem fazer distinção, nos mesmos casos:

2 Crônicas 34:14
“Quando se tirava o dinheiro que se havia trazido à casa do Senhor, Hilquias, o sacerdote, achou o Livro da Lei do Senhor, dada por intermédio de Moisés.”

Esdras 7:6
“Ele era escriba versado na lei de Moisés, dada pelo Senhor Deus de Israel; e, segundo a boa mão do Senhor seu Deus, que estava sobre ele, o rei lhe concedeu tudo quanto lhe pedira.”

Neemias 8:1, 8, 14, 18
“Em chegando o sétimo mês, e estando os filhos de Israel nas suas cidades, todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da Porta das Águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da lei de Moisés, que o Senhor tinha prescrito a Israel. . . . Leram no Livro, na lei de Deus, claramente, dando explicações, de maneira que entendessem o que se lia. . . . Acharam escrito na lei que o Senhor ordenara, por intermédio de Moisés, que os filhos de Israel habitassem em cabanas, durante a festa do sétimo mês. . . . Dia após dia leu Esdras do livro da lei de Deus, desde o primeiro dia até ao último; e celebraram a festa por sete dias; no oitavo dia houve uma assembléia solene, segundo o prescrito.”

Neemias 10:29
“Firmemente aderiram a seus irmãos, seus nobres convieram numa imprecação e num juramento, de que andariam na lei de Deus, e que foi dada por intermédio de Moisés, servo de Deus; de que guardariam e cumpririam todos os mandamentos do Senhor, nosso Deus, e os seus juízos e os seus estatutos.”

Em diversas ocasiões,”mandamentos cerimoniais” eram chamados de lei do Senhor: Sacrifícios de animais, sacerdócio, dias de festas (2 Crônicas 31:3-4), a festa dos tabernáculos (Neemias 8:13-18), a consagração dos primogênitos e as oferendas para purificação depois do parto (Lucas 2:23-24). Em outras ocasiões, as leis morais eram ditas como vindo de Moisés. Por exemplo, o mandamento para honrar os pais (Marcos 7:10). Para simplificar, a distinção entre a lei cerimonial de Moisés e a lei de Deus é uma invenção da teologia adventista. Não é encontrada na Bíblia.

Nota 3:

O dia do sábado de Colossenses 2:16 é o sábado semanal.

Algumas vezes, quando confrontados com Colossenses 2:16, que ensina que o dia do sábado foi uma parte da sombra que foi substituída por Cristo, os adventistas replicam que Colossenses 2:16 está se referindo aos “sábados anuais”, e não aos “sábados semanais.” A verdade é que o termo sábado é usado na Bíblia quase exclusivamente para os sábados semanais e é a própria palavra usada pelo Senhor quando ele deu os dez mandamentos. A única festa anual, para a qual a palavra sábado foi aplicada, é o Dia da Expiação (Levítico 16:31-32).

Olhem cuidadosamente a lista dos tipos de “sombra” em Colossenses 2:16: “comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados”. Depois de mencionar comida e bebida, ele (Paulo) também menciona festas (celebrações anuais), lua nova (celebrações mensais) e sábados (celebrações semanais). [E, interessante, muitos adventistas tentam manter as mesmas regras do Velho Testamento sobre comida (estude Marcos 7:19 e Atos 10:9-16)]. Repetidamente, este agrupamento anual, mensal e semanal (às vezes diário) de festas é feito na Bíblia:

1 Crônicas 23:30-31
“Deviam estar presentes todas as manhãs para renderem graças ao Senhor, e o louvarem; e da mesma sorte à tarde. E para cada oferecimento dos holocaustos do Senhor, nos sábados, nas luas novas, e nas festas fixas, perante o Senhor, segundo o número determinado.”

2 Crônicas 2:4
“Eis que estou para edificar a casa ao nome do Senhor meu Deus e lha consagrar, para queimar perante ele incenso aromático, e lhe apresentar o pão contínuo da proposição, e os holocaustos da manhã e da tarde, nos sábados, nas luas novas e nas festividades do Senhor nosso Deus; o que é obrigação perpétua para Israel.”

2 Crônicas 8:13
“E isto segundo o dever de cada dia, conforme o preceito de Moisés, nos sábados, nas luas novas e nas festas fixas, três vezes no ano: na festa dos pães asmos, na festa das semanas e na festa dos tabernáculos.”

2 Crônicas 31:3
“A contribuição que fazia o rei da sua própria fazenda era destinada para os holocaustos, para os da manhã e os da tarde, e para os holocaustos dos sábados, das luas novas e das festas fixas, como está escrito na lei do Senhor.”

Neemias 10:33
“Para os pães da proposição, e para a contínua oferta de manjares, e para o contínuo holocausto dos sábados, das luas novas, para as festas fixas, e para as cousas sagradas, e para as ofertas pelo pecado, para fazer expiação por Israel, e para toda a obra da casa do nosso Deus.”

Ezequiel 45:17
“Estarão a cargo do príncipe os holocaustos, e as ofertas de manjares, e as libações, nas festas, nas luas novas e nos sábados, em todas as festas fixas da casa de Israel: ele mesmo proverá a oferta pelo pecado, e a oferta de manjares, e o holocausto, e os sacrifícios pacíficos, para fazer expiação pela casa de Israel.”

Oséias 2:11
“Farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, os seus sábados e todas as suas solenidades.”

Paulo usa o mesmo agrupamento em Colossenses 2:16. Por que haveria alguém de torcer suas palavras para fazer com que significasse festas anuais quando ele fala de sábados?

Nota 4:

O significado espiritual do sábado

O dia do sábado era uma sombra da realidade espiritual trazida por Cristo (Colossenses 2:16-17). O sábado significa descanso e libertação do trabalho: Cristo trouxe o descanso e a libertação do pecado. Jesus é o descanso para o qual a sombra do sábado apontava (Mateus 11:28-30). Mesmo a libertação e o descanso que Jesus nos dá agora são apenas uma antecipação do descanso verdadeiro que os cristãos experimentarão no céu (Hebreus 4:9).

Nota 5:

Os primeiros cristãos adoravam no domingo

Duas passagens mostram claramente que os primeiros cristãos adoravam nos domingos:

Atos 20:7
“No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo que devia seguir de viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite.” Notem que este dia era um domingo. Os adventistas argumentam que esta reunião era na noite de sábado, mas as Escrituras dizem que era no primeiro dia da semana. Notem também que o propósito da reunião deles era partir o pão. Nesse trecho, e referindo a outras passagens (Atos 2:42; 1 Coríntios 10:16; 11:18-34), está claro que isto se refere à Ceia do Senhor. Os adventistas argumentam que eles se reuniram porque Paulo partiria no dia seguinte, mas o trecho diz que eles se reuniram para partir o pão.

1 Coríntios 16:1-2
“Quanto à coleta para os santos, fazei vós também como ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for.” Os primeiros cristãos, aqui, contribuíam com seu dinheiro no primeiro dia da semana. Por que seria feita a coleta no domingo, se os cristãos não se reunissem nesse dia?

Nota 6:

Respondendo a objeções

Jesus guardou o sábado. Certamente que sim. Jesus era um judeu nascido sob a lei (Gálatas 4:4) e portanto obedeceu a todas as leis do Velho Testamento. Jesus foi circuncidado, ordenou a entrega de oferendas ao sacerdote, pela purificação, guardou a Páscoa, etc. (Lucas 2:21; 5:12-14; Mateus 26:18-19). Mas quando Jesus morreu, ele inaugurou a nova aliança e revogou a velha. Se o fato que Jesus guardou a Páscoa não prova que nós também deveríamos guardá-la, então o fato que Jesus guardou o sábado não prova que nós deveríamos guardá-lo também.

Paulo guardou o sábado. As Escrituras não ensinam isto. Havia um número de ocasiões em que Paulo ensinou em sinagogas, no sábado (Atos 18:4, por exemplo). O sábado era o dia quando as pessoas se juntavam na sinagoga e Paulo aproveitou-se dessas oportunidades para ensinar muitas pessoas. Se eu tivesse permissão para ensinar lá, eu haveria de ir a assembleias adventistas todos os sábados. Mas a ida de Paulo às sinagogas, para ensinar no sábado, não prova que ele guardou o sábado como um dia santo de descanso.

Para sempre. No Velho Testamento, o sábado era “por aliança perpétua nas suas gerações” e “entre mim e os filhos de Israel é sinal para sempre” (Êxodo 31:16-17). Os adventistas argumentam que estes termos mostram que a guarda do sábado semanal nunca terminará (descansaremos no céu, também?). Mas o verdadeiro significado de “para sempre” e “perpétua”, neste trecho, é limitado por “nas suas gerações”. Estas expressões significam “duração de uma era”. Outros mandamentos do Velho Testamento foram “para sempre”: por exemplo, a Páscoa (Êxodo 12:24). Muitos mandamentos do Velho Testamento foram “perpétuos”: a queima do incenso (Êxodo 30:21), o sacerdócio Levítico (Êxodo 40:15), as ofertas de paz (Levítico 3:17), a parte dos sacerdotes nos sacrifícios (Levítico 6:18, 22; 7:34, 36), o sacrifício anual de animais pela expiação dos pecados (Levítico 16:29, 31,34), etc. Os adventistas, normalmente, não ensinam que sacrifícios de animais, queima de incenso ou a guarda da páscoa têm que ser continuados hoje; porque, então, deveriam eles argumentar que a guarda do sábado tem que ser continuada hoje?

Jesus não veio para revogar a lei. Mateus 5:17-18 diz: “Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas: não vim para revogar; vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: Até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra.” Neste trecho, Jesus está ensinando que seu propósito não era contra a lei. Ele não veio para demolir ou destruir a lei. De fato, Ele era o cumprimento da lei. A lei predisse a vinda de Cristo e a nova aliança que ele haveria de trazer. Esta passagem não está, certamente, ensinando que cada “i” ou “til” da lei obrigaria para sempre; nem os adventistas afirmam isso. Mas em vez disso, que toda a lei e os profetas haveriam de desempenhar suas funções propostas, até o seu cumprimento.

Jesus disse para orarem para que sua fuga não fosse no sábado. Mateus 24:20 diz: “Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado.” Nesse trecho, Jesus estava considerando a iminente destruição de Jerusalém. Ele deu aos seus discípulos o sinal pelo qual eles poderiam saber quando a hora de fugir houvesse chegado. E ele os aconselhou a orar para que sua fuga não viesse em um tempo difícil. Havia várias razões porque seria mais difícil fugir no sábado. Normalmente, os judeus trancavam as portas da cidade no sábado, e poderiam ser impedidos em sua fuga por judeus fanáticos; o sábado dificultaria a capacidade dos cristãos para comprar os mantimentos necessários para a fuga. Quando Jesus os avisou para que orassem para que a fuga não fosse num dia de sábado ou no inverno, ele não estava admitindo que os cristãos deveriam guardar o sábado, mais do que deveriam guardar o inverno.

O papa mudou o sábado? Quando os argumentos da Bíblia lhes falham, os adventistas gostam de tentar provar que os primeiros cristãos guardavam o sábado, mas que esta guarda foi mais tarde mudada para o domingo, pela igreja católica. Mesmo descontando a evidência da Bíblia, esta afirmação pode ser desmentida historicamente. Tanto Inácio como Justino Mártir se referem aos cristãos adorando no domingo e eles escreveram no segundo século, muito antes de haver um papa ou uma igreja católica. Mas pesquisar através de documentos históricos é desnecessário. A Bíblia decide a questão e isso deveria ser suficiente para aqueles que têm fé em Deus.

2016-06-09T23:33:28+00:00

About the Author:

7 Comments

  1. Alexandre Souza Carelli 02/01/2016 at 14:44 - Reply

    Pastor Gilmar Garbero, admiro muito seu trabalho na obra de Deus em ganhar almas, fato que sua igreja tem crescido para glória de Deus, porém diante de toda explicação dada acerca do sábado, eu pergunto: Como o senhor entende a palavra dada por Deus, quando no livro de Gênesis cap. 2:1-3 diz que Deus estabeleceu o sétimo dia na criação, ou seja o sábado nunca foi dos judeus até porque na criação não havia nação judaica. Isso prova que o sábado foi instituído por Deus antes do Sinai, quando Deus deu a Moisés as tábuas do Testemunho. Outra, em Tiago cap. 2:10-12 diz que aquele que guarda toda a lei mas tropeça em um só ponto se torna culpado de todos. Pois Aquele que disse: não adulterarás, também disse não matarás. Ora se não adúlteras, porém matas, veio a ser transgressor da Lei. E a mesma Bíblia diz em 1João cap. 5:4 que a iniqüidade é a transgressão da Lei. Poderíamos alterar as Escrituras? Como o senhor me explica? Obrigado.

    Alexandre.

    • IBREM 11/01/2016 at 22:25 - Reply

      Prezado Alexandre,
      Passo a responder as suas perguntas referentes ao sábado na bíblia.

      Vamos por partes: corrigindo sua pergunta: “quando Deus estabeleceu o sétimo dia na criação” Deus criou o sétimo dia, como criou o oitavo, o nono… O décimo quarto (7×2)… O vigésimo primeiro (7×3)… O vigésimo oitavo (7×4). O sétimo seria um estado perfeito de descanso e harmonia entre Deus e a sua criação que deveria perdurar no oitavo, nono, décimo… milésimo. Etc.
      Deus não mandou Adão guardar o sábado.
      Deus não mandou Seth guardar o sábado.
      Deus não mandou Noé guardar o sábado.
      Deus não mandou Abraão guardar o sábado.
      Deus não mandou Isaque guardar o sábado.
      Deus não mandou Jacó e nem seus onze filhos guardarem o sábado.
      Por dois mil anos, de Adão a Moisés, não existe na bíblia um mandamento sequer para a humanidade guardar o sábado.
      Por aqui você observa que Deus só falou no sábado semanal quando o povo judeu já tinha se tornando livre do cativeiro do Egito. Estava se tornando uma nação ainda no deserto.
      Vamos voltar lá no sétimo dia da criação.
      Diz que Deus descansou no sétimo dia.
      Pergunto-lhe: Deus se cansa? Isaías 40:28 ” não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o senhor, o criador dos confins da terra, não se cansa nem se fadiga? E inescrutável o seu entendimento.”
      Com o sétimo dia da criação Deus estava declarando que a relação dele com a humanidade seria a de harmonia, ele estaria conosco nos orientando para que nós, os humanos, vivêssemos uma vida de descanso na dependência dele.
      Jesus disse: “o sábado foi criado por causa do homem e não o homem por causa do sábado,”.
      Mas o que nós humanos fizemos no sétimo dia? Adão e Eva quebraram o descanso que tínhamos para com Deus. O pecado de Adão tirou o descanso da humanidade e da criação que passou ainda a ser manipulada pelo Diabo.
      Quando o descanso foi quebrado, lá no éden, Deus amaldiçoou a terra, a natureza, dela nasceriam espinhos e abrolhos, a terra iria dar trabalho para o homem comer.
      Deus amaldiçoou a mulher , tirou o descanso dela: com dores terás filho, e teu marido te dominará.
      Deus amaldiçoou a Adão: comerás pão com o suor do teu rosto, tirou o descanso de Adão, do homem, ainda o fazendo morrer e voltar ao pó.
      O descanso físico foi afetado porque o descanso espiritual do homem também foi quebrado.
      Pois se Jesus não viesse morrer e ressuscitar nós ficaríamos para sempre preso no reino dos mortos, sem descanso. Saiba que nossa comunhão com ele, Deus, é o nosso descanso.
      Quero que você observe que o descanso que foi quebrado foi algo eterno, que iria afligir a humanidade para todo sempre.
      Este descanso que foi quebrado era a base de toda a relação da humanidade com Deus. Era algo espiritual e físico.
      Deus não se cansa, mas depois do homem pecou, se Deus estava em descanso conosco, o descanso dele também foi quebrado, tanto que Jesus disse naquele sábado: “João 5:17 ”mas Jesus lhes respondeu: meu pai trabalha até agora, e eu trabalho também. 18. Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio pai, fazendo-se igual a Deus. O apóstolo João diz que Jesus violava o sábado este texto endoida qualquer adventista.
      Logo se Jesus cumpriu toda a lei, fazendo coisas no sábado, certamente os judeus não entendiam nada de sábado e muito menos os adventistas hoje.
      Mas vamos agora ao sábado verdadeiro.
      A quebra do sábado verdadeiro foi quando o pecado entrou no mundo por Adão e Eva. E fez de todos nós pecadores destituídos da glória de Deus.
      Foi isto que entristeceu muito a Deus, ele não sossegou , não descansou mais, enquanto não tornasse a estabelecer para nós este descanso.
      Quero você entenda o porquê que Deus colocou a guarda do descanso no quarto mandamento.
      Sabe por quê?
      Porque o descanso que Deus queria que nós estivéssemos com ele, estava condicionado a que o homem guardasse os três primeiros mandamentos.
      Vou te ajudar a entender que o pecado que Adão e Eva cometeram foi à quebra dos três primeiros mandamentos: e com estes três mandamentos quebrados o descanso da humanidade e da criação foi para o beleléu.
      Primeiro mandamento:
      “não terás outros Deuses diante de mim”.
      Adão e Eva teve o diabo como Deus deles quando deixou de ouvir a Deus e ouviu o diabo.
      Segundo mandamento:
      “não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma em cima no céu nem em baixo na terra”
      Adão e Eva aceitaram como Deus a forma física de uma serpente ao se curvarem ao que ela disse e fizeram pior ainda: não fizeram imagens de si mesmos, mas quiseram ser como o altíssimo. O que o diabo diz “no dia em que comer vocês serão como Deus, a criatura querendo se fazer Deus”. A imagem e semelhança criada querendo ser Deus.
      Terceiro mandamento:
      “não tomaras o nome do senhor teu Deus em vão”
      o que é tomar o nome do senhor teu Deus em vão. Não é você dizer: ah meu Deus do céu. Não é você dizer eu juro por Deus. Este pecado é o de jurar.
      Tomar o nome de Deus em vão é você dizer:
      “Deus disse isto, isso e aquilo, mas você faz o contrário”.
      Quer ver: a serpente perguntou a Eva: o que foi que Deus disse: ela respondeu: Deus disse que de todas as árvores do jardim comerás livremente, mas da arvore do conhecimento do bem e o mal ele disse não comerás… Está vendo, aqui ela toma o nome de Deus em vão, porque ela cita uma ordem de Deus e faz o contrário.
      Quarto mandamento: note que se os três primeiros, ou apenas um deles for quebrado isto compromete o descanso com Deus.
      Pra você entender o que vou exemplificar, imagine uma laje suspensa sustentada por três colunas: as três colunas representam os três primeiros mandamentos. A laje é o descanso que se tronaria a base de toda relação do homem e da natureza com Deus.
      Em cima deste descanso é que vêm os outros seis mandamentos. O primeiro dos seis é a família, pai e mãe, os outros cinco são nossas relações sociais.
      Note que guardar o dia de sábado nunca iria restaurar descanso do homem com Deus, era apenas uma chamada de Deus para algo muito maior.
      Com o quarto mandamento dado aos Judeus, Deus queria lembrar aos judeus que através desta nação que viria o salvador, ele haveria de restabelecer o descanso perdido.
      Depois que Jesus veio ele arrumou os três primeiros mandamentos quebrados pelo homem, estabeleceu a base da relação do homem com Deus que é a paz com Deus, com descanso. E crendo nele nós seremos justificados pela fé nele não porque cumprimos lei alguma. Ninguém jamais cumpriu a lei, nem os adventistas e nem os judeus. E mesmo que alguém tivesse cumprido não deixa de ser pecador. E pecador só entra no céu pelo sangue de Jesus cristo que nós purificou de todo pecado.
      Entenda agora o que significa quando Jesus disse:
      “vinde a mim todos voz que estais cansados…..e achareis o que descanso aqui ele está dizendo que ele é nosso descanso e não mais dia de sábado.”
      Para concluir
      Note que todos os outros mandamentos, Jesus repetiu e citou, mas Jesus não nós mandou guardar sábado, porque ele é o nosso descanso.
      E para concluir olha o que as escrituras dizem com relação ao sábado:
      Colossenses 2 – 16. Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, 17. Que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de cristo.
      Olha que diz que o sábado é: sombra das coisas futuras. Jesus já restaurou nosso descanso.
      Mas ainda há um descanso para a terra. Jesus já conquistou, mas ainda não implantou.
      No milênio Jesus vai reinar por mil anos sobre a terra. E a terra vai conhecer pela primeira vez a paz, a justiça. Os homens vão viver em harmonia.
      Mas cuidado porque os adventistas dizem que Deus vai descansar a terra sem ninguém aqui. Que não vai ter homem sobre a terra por mil anos. O diabo é que vai passear por aqui.
      Eles ensinam também que o ímpio não vai ser lançado no inferno, ele vai ser destruído, deixará de existir. Ensinam que não tem castigo eterno ao contrário do que Jesus ensinou. Quem não tem Jesus não terá descanso algum nem de dia e nem de noite. E diz que a fumaça do tormento vai subir pelos séculos dos séculos.
      Quando os adventistas dizem que os ímpios vão ser destruídos, eles mesmos estão dando um descanso para os ímpios que Jesus não deu.
      Deus diz: para o ímpio não haverá descanso.
      Quinto mandamento: honra teu pai e tua mãe. Deus está mostrando que a primeira relação que teria sobre o descanso seria as relações famílias.
      Sexto mandamento ao décimo mandamento, não matarás, não furtarás, não dá falso testemunho, não cobiçar… etc. Mostra que estas relações sociais seriam construídas sobre relacionamentos familiares sólidos que é o quinto mandamento, que se apoia sobre o quarto que é o descanso do homem dom Deus, e que por sua vez se apoia sobre os três primeiros que é a relação do homem com Deus.
      Se você entender verdadeiramente a obra de cristo na cruz e toda a simbologia do antigo testamento você não vai ficar refém destas coisas.
      A bíblia diz: andeis no espírito. Só quem anda no espírito entende estas coisas.
      A escritura diz e você mesmo disse que se quebrar um ponto da lei se torna culpado de toda ela: pergunto-te: você já desejou uma mulher fora do casamento? Já teve raiva de alguém. Já cobiçou algo de alguém. Já tratou seu pai e sua mãe inconvenientemente, já fez algo que Deus dissera para você não fazer… Então você é culpado de toda a lei. O fato de você guardar o sábado não te isenta disto.
      Na hora de ficar livre destas coisas erradas dos erros e pecados, você não corre para o sábado, você corre é para o sangue de Jesus. Então corra pra Jesus ele é toda a nossa suficiência.
      A fé nele nós faz completos diante de Deus. O mérito é de Jesus, não é nosso.
      Abraço, Pastor Gilmar Garbero.

    • João Paulo 26/06/2016 at 12:19 - Reply

      Quero apenas complementar essa excelente explanação sobre a guarda do sábado. Olá Pastor. Numa das passagens de sua explanação o senhor afirma que APÓS A MORTE de Jesus a lei cessou…atento a essa informação quero fazer o seguinte comentário complementar ao seu texto, nos seguintes dizeres:

      De acordo com os adventistas, e com base no argumento de que “APÓS A MORTE” DE CRISTO a lei não cessou, eles afirmam e se apoiam
      no fato de que mesmo APÓS A MORTE de Jesus, seus discípulos ainda guardavam o sábado. Eles fazem referência a Lucas 24:54-56. Que afirma o seguinte:

      “E era o dia da preparação, e amanhecia o sábado. E as mulheres, que tinham vindo com ele da Galileia, seguiram também e viram o sepulcro e como foi posto o seu corpo. E, voltando elas, prepararam especiarias e unguentos e, no ‘sábado’, repousaram, conforme o mandamento”. (Lucas 24: 54-56 / Tradução de João Ferreira de Almeida revista e traduzida).

      Realmente, observando essa passagem, verificamos que aquelas duas mulheres (Maria Madalena, e outra Maria, vide Mateus 27:61), ambas seguidoras e discípulas de Jesus, guardaram o sábado conforme prescrevia o mandamento, “mesmo após a morte” de Jesus. Esse fato é incontestável à luz da passagem bíblica acima citada.

      Ocorre que nós devemos apenas mudar um termo doravante para que possamos entender melhor esses versículos. Qual seja: A lei não foi revogada totalmente com a MORTE de Cristo (SEXTA E SÁBADO), mas, sim com a “RESSURREIÇÃO” dele, que só ocorreu no dia seguinte, no domingo. Pois o repouso da obra da salvação se completou no primeiro dia da semana, qual seja, no domingo, no grande dia do Senhor. A partir do sábado seguinte é que aquelas mulheres não deveriam mais guardar o sábado se resolvessem ainda seguir a Jesus…Leiamos Hebreus 4:1-11, e entendamos que o sábado era sombra das coisas futuras. O descanso terrestre semanal era apenas um símbolo transitório até a RESSURREIÇÃO de Cristo, quando ele repousou da obra da salvação…

      Por isso ele disse, vinde a mim os que estão cansados e oprimidos e eu vos aliviarei (Mateus 11.28). Não é à toa que Deus afirma lá em Gêneses 2:3 que no sétimo dia ele descansou de toda a sua obra da CRIAÇÃO. De igual modo, e nos mesmos termos, ele também descansou de sua obra da SALVAÇÃO após o sétimo dia, pois, Jesus descansa agora ao lado de Deus, na nova Jerusalém Celestial, na terra prometida a todos nós que cremos nisto e que não tornamos nula a GRAÇA em Cristo Jesus…

      Que a paz que excede todo o entendimento permaneça com todos aqueles que nasceram de novo, agora sob a nova aliança, sob um novo pacto entre Deus e os homens! O pacto voluntário do amor. Porque nós fomos libertos do julgo da servidão e agora descansamos no descanso do Senhor, pois, ele também nos disse que o seu jugo era suave que o seu fardo era leve (Mateus 11:30). Amém e graças ao nosso Deus!

  2. Tainá 15/08/2016 at 14:42 - Reply

    Para aqueles que pensavam que o Sábado é uma instituição criada apenas para judeus, basta ler o relatório do Gênesis, quando Deus o estabeleceu para Adão e Eva, ou seja para a humanidade e devia permanecer para recordar o Poder Criador:

    Na Palavra de Deus lemos: “Assim, foram acabados os céus e a terra, e todo o seu exército. E havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.” Gên. 2:1-3.

    A Palavra de Deus declara em João 1: 1-3 e 14 “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele , e sem Ele nada do que foi feito se fez. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória como do unigênito do Pai.”

    Foi Ele quem disse: “Lembra-te do dia do Sábado para o santificar. Seis dias trabalharas e farás toda a tua obra Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Porque em seis dias fez o Senhor o Céu e a Terra, o mar e tudo o que neles há. E ao sétimo dia descansou. Por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou.” Êxodo 20:8-11.
    O Sábado é um memorial da presença divina em um mundo agredido pelo pecado. Um memorial da Redenção também.

  3. Julio Cesar Costa 06/02/2017 at 08:55 - Reply

    A paz do Senhor a todos. Respeito os Adventistas, porém a palavra em Êxodo 20:8-11, diz também que os servos e servas não deveram trabalhar. Podemos concluir que para a guarda do sábado, não poderíamos usar os serviços disponibilizados no mundo atual, como exemplos podemos citar serviços de fornecimento de água, telefonia, transportes, saúde, policiais, entre outros, pois no mundo atual todos estes serviços funcionam também aos sábados, e todos que trabalham nestes setores estão nos servindo, em consequência são servos. Em conclusão, nem os defensores da guarda do sábado, o guardam como é caracterizado na bíblia. Saudações!

  4. Charley Alves Costa 12/02/2017 at 22:40 - Reply

    Um comentário sem contexto desse (pastor ) porque ele só diz o q lhe convém fale do livro de Tiago e Mateus 5:17 o diabo caiu exatamente por não querer seguir as leis de Deus. .explicar aí Mateus 5:17 apocalipse 14:12 1joão 2:4 ! Explicar aí. ..

  5. sem 18/04/2017 at 11:25 - Reply

    Mateus 5:17-20
    “Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir.
    Digo-lhes a verdade: Enquanto existirem céus e terra, de forma alguma desaparecerá da Lei a menor letra ou o menor traço, até que tudo se cumpra.
    >>Todo aquele que desobedecer a um desses mandamentos, ainda que dos menores, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será chamado menor no Reino dos céus<<; mas todo aquele que praticar e ensinar estes mandamentos será chamado grande no Reino dos céus.
    Pois eu lhes digo que se a justiça de vocês não for muito superior à dos fariseus e mestres da lei, de modo nenhum entrarão no Reino dos céus".

    1 João 2:3-6
    E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos.
    Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.
    Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele.
    Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.

Leave A Comment

X